A Arte do Passado que ajuda a tecer as linhas do Futuro!

Perde-se na memória dos tempos a origem da atividade artesanal. Desde sempre o homem foi levado a aproveitar momentos de pausa nas ocupações dominantes, para dar livre curso à sua imaginação criadora e inovadora.

O artesanato constitui uma das expressões mais sublimes do património histórico-cultural do país. As suas artes e ofícios envolvem saberes e sabores transmitidos de geração em geração e construídos na experiência do quotidiano. É um portentoso manancial de técnicas e destrezas, entre as quais se mantém inalteráveis e outras se adaptam à voracidade do tempo.

O artesanato é o rosto visível de um orgulho passado que dá sentido ao futuro. Nele encontramos a linha mestra da identidade local. Com ele aprendemos a redescobrir o encanto das tradições, a emoção e bom gosto da arte popular, a fina magia do talento, perseverante e arrojado. Através dele é reinventada a riqueza da memória coletiva local.

O “Saloio” de Sintra foi, durante muitos anos, trabalhador do campo, negociante dos seus produtos e criador de objetos e ferramentas fundamentais para o bom desempenho do seu quotidiano, tendo transmitido essa arte, de realizar com as próprias mãos de geração em geração.

Dos ofícios tradicionais subsistem ainda a tanoaria, a cestaria e a latoaria, agora classificados como artesanato tradicional.
Esquecido durante algum tempo, a importância do artesanato começa a ressurgir, pois é uma forma viva de divulgar a história e a cultura do nosso povo.

Nos últimos anos, a arte de fazer objetos decorativos/manufaturados tem-se difundido.

No concelho de Sintra, além do já referido artesanato tradicional, ainda é possível encontrar artesãos que fazem trabalhos com retalhos de tecido, tecelagem, cerâmica, painéis de azulejos…

No entanto, as artes, acompanhando a modernização e as necessidades dos tempos, também se alteraram, sendo possível encontrar artesãos que se dedicam a criar peças decorativas de âmbito artesanal contemporâneo.

Aqui vai encontrar produtos de antigamente, peças artesanais tradicionais e contemporâneas, presentes únicos e originais.

Útil ou artística a criação de objetos exprime ideias, gestos, práticas, vivências e formas de estar, ou seja a cultura de um povo.

O artesão de hoje aparece-nos assim, como o herdeiro, o continuador e o garante da transmissão dos valores culturais que são os nossos e, é neles que bebe a sua inspiração.